A importância da vacinação: campanha contra a gripe começa em março

Em março, começa a campanha anual de vacinação contra gripe. Então, o Grupo Leforte convidou o Dr. Munir Akar Ayub, coordenador do Centro de Vacinas da Clínica e Diagnósticos Christóvão da Gama, para falar sobre a importância da vacinação, esclarecer sobre quem deve ser vacinado e também o que a pessoa deve fazer se tomou recentemente a vacina contra Covid-19 ou teve a doença.

 

Para que servem as vacinas e como elas funcionam?

DR. MUNIR AKAR AYUB – vacinas são substâncias produzidas em laboratório, cuja função principal é treinar o sistema imunológico a produzir anticorpos, que vão proteger a pessoa contra os diferentes micro-organismos. Essas substâncias produzidas em laboratório variam, podendo ter um vírus vivo, um vírus morto, pedaço de bactéria ou vírus, toxina…

Enfim, existem várias plataformas de vacina, mas todas elas têm a mesma função, que é estimular o organismo da pessoa a produzir anticorpos de modo que, ao entrar em contato com o micro-organismo causador da doença, impeça o aparecimento da enfermidade. Ou, no mínimo, diminua a gravidade ou a letalidade.

 

Em quais situações uma pessoa não pode ser vacinada?

DR. MUNIR AKAR AYUB – existem poucas situações que impedem uma pessoa de ser vacinada. Devemos evitar vacinar pessoas que estejam com alguma doença em atividade ou na presença de febre. Os efeitos colaterais não são frequentes. Mas, às vezes, pode ocorrer discreta dor no local da aplicação, febre e mal-estar, que duram no máximo 48 horas e se resolvem com analgésicos e antitérmicos.

 

Como a vacinação protege o indivíduo e a comunidade?

DR. MUNIR AKAR AYUB – em relação à proteção, quanto maior o número de pessoas vacinadas, melhor é o controle da doença, porque diminui a circulação do vírus.

 

Quem não pode ser vacinado?

DR. MUNIR AKAR AYUB – pessoas imunossuprimidas, em tratamento químio ou radioterápico, portadores do HIV e portadores de agamaglubulinemia (um tipo de imunodeficiência hereditária) não devem receber vacinas compostas de vírus vivo.

 

Quais são as principais doenças que as vacinas previnem?

DR. MUNIR AKAR AYUB – As vacinas existentes protegem contra mais de 20 doenças importantes que podem matar ou deixar sequelas graves. Desde a varíola – doença eliminada do planeta pela vacinação universal – até a poliomielite, que provoca a paralisia infantil, já erradicada da maioria dos países.

Outras doenças praticamente desapareceram ou, então, podem ser muito bem controladas, como o sarampo, caxumba, rubéola, febre amarela, meningite, pneumonia, HPV (causador do câncer do colo do útero e no pênis), difteria, tétano e coqueluche. Enfim, existe uma gama grande de doenças que podem ser prevenidas ou atenuadas com vacinação.

Falando especificamente sobre a Covid-19, mesmo que, em alguns casos, as vacinas atualmente em uso não consigam evitar que a pessoa seja contaminada pelo novo Coronavírus, elas impedem que ele provoque as manifestações de gravidade, diminuindo em muito a necessidade de internação, indicação de terapia intensiva e morte.

 

Doenças consideradas erradicadas podem retornar caso as pessoas não sejam mais vacinadas contra elas?

DR. MUNIR AKAR AYUB – algumas doenças erradicadas podem retornar caso não seja feita a vacinação contra ela. Um exemplo recente é o sarampo, que havia sido eliminado e foi reintroduzido por emigrantes que entraram em contato no Brasil com grupos de pessoas não vacinadas. Como o sarampo é uma doença altamente contagiosa, ocorreram vários surtos, inclusive em São Paulo, sendo necessário então uma revacinação em massa de todas as pessoas com menos de 50 anos.

Outro exemplo importante é a paralisia infantil doença que pode matar ou deixar incapacidade para o resto da vida. Eliminada há muitos anos no Brasil, mas ainda existente em alguns outros países do mundo principalmente no continente africano. Então, se abrirmos a guarda e deixarmos de vacinar a população, a reintrodução do vírus no nosso meio pode provocar o reaparecimento da doença. Por isso, é grande a importância da vacinação, mesmo contra as doenças consideradas erradicadas.

 

Qual a importância da vacina contra gripe?

DR. MUNIR AKAR AYUB – como o vírus que provoca a gripe sofre mutação de tempos em tempos, a vacina contra ele também é modificada anualmente. A doença é mais grave nos extremos de idade (muito novos ou idosos), gestantes e pessoas com comorbidades. Dessa forma, todo mundo deve tomar a vacina contra gripe a partir dos seis meses de idade.

A única contraindicação é ter alergia verdadeira a ovo, ou seja, se a pessoa desenvolve um quadro alérgico importante quando consome algo que tenha qualquer resquício mínimo que seja de ovo. Infelizmente, o governo não consegue vacinar toda a população, por isso, ele prioriza os grupos de maior risco. Nos centros de saúde são vacinadas gratuitamente as pessoas acima de 60 anos, as pessoas que têm comorbidades – como diabetes e obesidade -, os profissionais de saúde, os professores e os indígenas.

Basicamente, existem dois tipos de vacinas contra gripe: a trivalente, que previne a gripe provocada por três subtipos mais importantes do vírus; e a vacina quadrivalente, que protege contra quatro subtipos e tem uma eficácia um pouco melhor. A vacina trivalente é produzida no Brasil e é disponibilizada pelo SUS para os grupos citados. Já a vacina quadrivalente contra gripe é importada e só está disponível em clínicas privadas de vacinação.

 

Quem foi vacinado contra Covid-19 pode tomar a vacina contra a gripe?

DR. MUNIR AKAR AYUB – o intervalo entre vacinas é uma coisa importante. Quem foi vacinado contra Covid-19 deve esperar, pelo menos, 15 dias para tomar a vacina contra gripe ou qualquer outra. O contrário também é verdadeiro, ou seja, quem tomar primeiramente a vacina contra a gripe deve esperar o mesmo tempo para tomar a vacina contra Covid-19.

Como a partir de março/ abril de 2021 estaremos em duas campanhas de vacinação ao mesmo tempo – da vacina contra Covid-19 e da vacina contra gripe – é importante prestar atenção a isso.

 

Quem já teve Covid-19 pode tomar a quadrivalente contra a gripe?

DR. MUNIR AKAR AYUB – se a pessoa tiver Covid-19, precisa esperar um mês para tomar qualquer vacina, inclusive a vacina contra gripe.

O Grupo Leforte tem unidades especializadas que oferecem imunização contra várias doenças, incluindo a gripe. Clique aqui e saiba mais.

Onde se vacinar contra a gripe

Clínica e Diagnósticos Leforte Alphaville

Alameda Araguaia, 943, Loja 02/03 – Barueri – SP
Call center: (11) 2135-0150

Clínica e Diagnósticos Christóvão da Gama Santo André

Rua Guilherme Marconi, 440, Santo André
Call center: (11) 4993-3773

Clínica e Diagnósticos Leforte Morumbi

Rua dos Três Irmãos, 62
Call center: (11) 3345 - 2288

 

O Dr. Munir Akar Ayub é médico infectologista e coordenador do Centro de Vacinas da Clínica e Diagnósticos Christóvão da Gama. Também é professor de Infectologia da Faculdade de Medicina do ABC, membro do Comitê de Imunização da Sociedade Brasileira de Infectologia e mestre em Ciências da Saúde pela FMABC.

 

 

Conteúdos relacionados no site do Grupo Leforte

Este conteúdo é meramente informativo e educativo, sendo destinado para o público em geral. Ele não substitui a consulta e o aconselhamento com o médico e não deve ser utilizado para autodiagnóstico ou automedicação. Se você tiver algum problema de saúde ou dúvidas a respeito, consulte um médico. Somente ele está habilitado fazer o diagnóstico, a prescrever o tratamento mais adequado para cada caso e acompanhar a evolução do quadro de saúde do paciente.
Testemunhos

Gostaríamos de agradecer ao Dr Pierry Louys Batista, em nome de todos os pediatras, toda equipe assistencial, de atendimento, segurança, higiene e do laboratório Delboni, pois percebemos que houve a verdadeira hospitalidade que todos falam, mas poucos exercem: a de fora dos livros.

Gustavo Ambrósio Tenório

Equipe de enfermagem muito bem preparada, atenta e disponível para qualquer chamado. Muito educada e cordial também, por exemplo, sempre ao entrar no quarto os enfermeiros avisavam meu pai que a luz seria acesa, não acendendo diretamente na “cara” da pessoa, que estava despreparada.

Antônio Rafael de Carvalho