Como garantir o cuidado materno e neonatal seguro?

No dia 17 de setembro é celebrado o Dia Mundial da Segurança do Paciente, cujo tema em 2021 é o “cuidado materno e neonatal seguro”. Para falar sobre o assunto, o Grupo Leforte convidou a Dra. Mágeda Mohamad Tayfour, que é médica pediátrica e coordenadora de toda a linha pediátrica do Hospital Maternidade Christóvão da Gama (HMCG), e o Dr. Raphael Garcia Moreno Leão, coordenador médico da ginecologia e obstetrícia do HMCG.

 

CUIDADO MATERNO E NEONATAL SEGURO – acompanhamento da gestante

A Dra. Mágeda destaca que “um nascimento seguro precisa ocorrer em um sistema de saúde organizado, com uma assistência pré-natal de qualidade e com um cuidado realizado em local com infraestrutura e material apropriados. Além da presença de profissionais adequadamente capacitados e, fundamentalmente, com a participação do pediatra em todas as etapas deste processo”.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) – diz a médica – prevê um mundo em que “todas as mulheres grávidas e recém-nascidos recebam cuidados de qualidade durante a gravidez, o parto e o período pós-natal imediato”. O que, segundo ela, está alinhado com duas agendas de ação global complementares:

  • Estratégias para acabar com a mortalidade materna evitável;
  • Para todo recém-nascido: um plano de ação para acabar com óbitos evitáveis.

Nesse sentido, o Dr. Raphael conta que “o Hospital Maternidade Christóvão da Gama dispõe de uma equipe de especialistas em ginecologia e obstetrícia durante 24h, nos sete dias da semana para proporcionar um parto seguro e respeitoso às pacientes. Além disso, o acompanhamento das gestantes é feito por uma equipe de diaristas experientes, sendo que a equipe de enfermagem da maternidade e do pronto-socorro de ginecologia e obstetrícia é fixa e especializada na área”.

 

CUIDADO MATERNO E NEONATAL SEGURO – realização do parto

“O parto é um processo complexo”, pondera a Dra, Mágeda. “Por isso, é essencial que esteja disponível tudo aquilo que é necessário para garantir que, tanto a mãe como o recém-nascido, recebam os cuidados mais seguros possíveis. O nascimento seguro prevê componentes integrados de estrutura, processos e resultados, no contínuo do cuidado perinatal, que são os seguintes:”

  • Identificação evolutiva do risco da mãe e do bebê na gestação e após o nascimento;
  • Pontos de atenção ambulatorial e hospitalar em relação ao risco habitual e ao alto risco da mãe e do bebê para assegurar continuidade e abrangência do cuidado;
  • Em relação aos pontos de atenção ambulatorial e hospitalar, existência de processos assistenciais organizados em ambiente com estrutura e recursos tecnológicos capazes de responder às demandas clínicas risco-dependentes, das mulheres e recém-nascidos;
  • Prontuário clínico eletrônico com registro sistematizado da informação relevante e essencial para melhores práticas no período neonatal;
  • Sistemas de apoio com diagnóstico, terapia e assistência farmacêutica;
  • Regulação de leitos obstétricos e neonatais no nível pré-hospitalar para garantir assistência ao parto e nascimento na maternidade de referência da gestante;
  • Sistema de transporte em saúde para gestantes e recém-nascidos com acesso regulado;
  • Sistema de informação integrado, para comunicação e monitoramento da assistência, em rede. Em todo o trajeto do cuidado, o RN precisa ser protegido pelos direitos universais e pela legislação vigente no Brasil, interpretados à luz do contexto familiar e social da criança.

No HMCG, o Dr. Raphael explica que “a gestante é acompanhada pelo médico obstetra e pela enfermeira obstetriz durante todo período do trabalho de parto e tem à disposição médicos anestesistas durante 24 horas para a realização de analgesia de parto. Além disso, seja no parto normal ou na cesárea, o recém-nascido é recepcionado por um neonatologista – o especialista que atua nos cuidados específicos com bebês recém-nascidos. No caso de necessidade, o Hospital possui uma UTI neonatal bem equipada e com equipe competente.

 

CUIDADO MATERNO E NEONATAL SEGURO – rotinas do parto seguro

Segundo o Dr. Raphael, “a rotina do HMCG para um parto seguro abrange tantos aspectos administrativos quanto de cuidados em saúde, que são os seguintes:”

  • Verificação da identidade da parturiente na admissão;
  • Preenchimento de ficha obstétrica pela enfermagem e equipe médica com dados do pré-natal, sorologias, tipagem sanguínea e demais exames;
  • Monitorização do bebê e da mãe durante todo o trabalho de parto;
  • Realização do time-out na sala cirúrgica antes de começar a cesárea ou o parto normal, que é a checagem da identidade da paciente, do tipo de procedimento que foi agendado, se os materiais e medicamentos necessários estão presentes e se toda a documentação relevante está disponível, como avalição pré-anestésica e exames;
  • Acompanhamento da paciente na recuperação pós-anestésica depois do procedimento cirúrgico e liberação para a unidade de internação somente após a alta do anestesista;
  • Mãe e recém-nascido ficam em alojamento conjunto com suporte da equipe da maternidade e do berçário;

Estímulo à amamentação com equipe multidisciplinar.

O papel do pediatra é fundamental em todas as fases, diz a Dra. Mágeda. “O pediatra deve atuar na gestação, acompanhar o parto, apoiar e orientar cuidados com a mãe e o recém-nascido. Desta forma, desempenha o importante papel de cuidador, procurando orientar questões de saúde e nutrição, além de diminuir os estresses familiares. Os objetivos que devem ser atingidos com a consulta pré-natal incluem:”

  • Estabelecer o vínculo entre o pediatra e os pais;
  • Identificar situações de risco;
  • Definir abordagem de promoção, prevenção e tratamento, fundamentados na avaliação da história perinatal;
  • Estimular a amamentação;
  • Esclarecer dúvidas;
  • Dar apoio aos sentimentos dos pais em relação à gestação e ao parto.

A médica ressalta ainda que “a continuidade do cuidado pós-natal precisa ser fortalecida antes do nascimento, no pré-natal e, no decorrer do período neonatal, para manter os ganhos alcançados com o programa de reanimação neonatal, que reduziu substancialmente as mortes por complicações de eventos intraparto. As taxas de sobrevida vinculadas às complicações decorrentes da prematuridade, das infecções, anomalias congênitas e outras causas não se alteram de maneira significativa sem a integração do cuidado nas várias etapas da atenção perinatal.

A Dra. Mágeda Mohamad Tayfour é médica pediátrica. Ela atua como pediatra na Clínica Affetto e coordenadora de toda a linha pediátrica do Hospital Maternidade Christóvão da Gama, do Grupo Leforte, incluindo berçário e as UTIs neonatal e pediátrica.

Agende consulta com um pediatra

O Dr Raphael Garcia Moreno Leão é especialista em ginecologia e obstetrícia e também em videolaparoscopia e vídeo histeroscopia. Ele é coordenador médico da área de ginecologia e obstetrícia do Hospital Maternidade Christóvão da Gama, do Grupo Leforte.

Agende consulta com um ginecologista obstetra

Texto validado por Dra. Jordana Rocha Campos, médica pediatra do Grupo Leforte que atende de sexta-feira na Clínica e Diagnósticos Leforte Morumbi.

 

Conteúdos relacionados no site do Grupo Leforte

Este conteúdo é meramente informativo e educativo, sendo destinado para o público em geral. Ele não substitui a consulta e o aconselhamento com o médico e não deve ser utilizado para autodiagnóstico ou automedicação. Se você tiver algum problema de saúde ou dúvidas a respeito, consulte um médico. Somente ele está habilitado fazer o diagnóstico, a prescrever o tratamento mais adequado para cada caso e acompanhar a evolução do quadro de saúde do paciente.
Testemunhos

Gostaríamos de agradecer ao Dr Pierry Louys Batista, em nome de todos os pediatras, toda equipe assistencial, de atendimento, segurança, higiene e do laboratório Delboni, pois percebemos que houve a verdadeira hospitalidade que todos falam, mas poucos exercem: a de fora dos livros.

Gustavo Ambrósio Tenório

Equipe de enfermagem muito bem preparada, atenta e disponível para qualquer chamado. Muito educada e cordial também, por exemplo, sempre ao entrar no quarto os enfermeiros avisavam meu pai que a luz seria acesa, não acendendo diretamente na “cara” da pessoa, que estava despreparada.

Antônio Rafael de Carvalho
banner