Covid-19: como amenizar o isolamento social de crianças

Para as crianças, adaptar-se ao cenário de isolamento social exigido pela pandemia do novo Coronavírus pode ser especialmente difícil. O medo da doença e o distanciamento dos amigos e familiares podem causar muito estresse e ansiedade para os pequenos e, longe da escola, eles podem não ter mais o senso de estrutura e estímulo proporcionado por esse ambiente. Mas algumas dicas ajudam a minimizar o isolamento social de crianças.

 

Isolamento social de crianças pode causar mudanças de comportamento

A forma como a criança reage à situação de pandemia e ao isolamento social pode variar de acordo com a idade da criança, experiências anteriores, circunstâncias sociais e econômicas da família, postura dos pais, entre outros fatores. Fique atento a possíveis sinais de estresse na criança, que incluem:

  • Choro mais frequente, irritação ou raiva;
  • Maior necessidade de atenção e afeto;
  • Retorno a comportamentos superados, como urinar na cama;
  • Preocupação ou tristeza;
  • Maus hábitos alimentares ou de sono;
  • Desatenção ou dificuldade de concentração;
  • Desinteresse em atividades que gostava;
  • Dores de cabeça inexplicáveis ou dores no corpo.

 

Como os pais podem ajudar a lidar com o isolamento social de crianças

Algumas estratégias podem minimizar o impacto negativo do isolamento social de crianças. Para Alice Santana, psicóloga no Hospital e Maternidade Christóvão da Gama (HMCG), do Grupo Leforte, a busca de atividades que favoreçam uma interação de qualidade entre os membros da família pode ser muito positiva. “É recomendado promover às crianças, na medida do possível, uma rotina que favoreça a continuidade de seu desenvolvimento cognitivo e emocional”, orienta.

Para isso, pense em atividades lúdicas e pedagógicas para fazer com elas, como quebra-cabeças, leitura, dança e pintura. Sempre que possível, incentive as crianças a continuar sociabilizando com as pessoas da casa e promova telefonemas ou videochamadas com amigos e familiares.

Além disso, procure estabelecer horários regulares para a criança dormir e acordar, fazer refeições, brincar e cumprir as obrigações, mas permita alguma flexibilidade na programação.

 

Confira outras dicas:

Converse sobre o que está acontecendo – explique e tire dúvidas sobre a Covid-19 de forma honesta e apropriada à idade delas, sem causar alarme. Incentive-as a expressar medos e preocupações, seja através de palavras, desenhos ou jogos. Isso ajuda a aliviar a ansiedade das crianças.

Limite a exposição à cobertura de notícias da mídia – as crianças podem ficar mais angustiadas com o bombardeio de informações sobre a pandemia.

Procure ser um exemplo para as crianças – as crianças reagem, em parte, ao que percebem dos adultos ao redor. A ansiedade e o estresse dos pais têm um impacto negativo na saúde mental das crianças. Para tranquilizar os pequenos, portanto, é importante gerenciar seu próprio estresse – a prática de exercícios físicos e outros hábitos saudáveis ajudam nisso.

Ensine e reforce ações preventivas diárias – ensine as crianças a lavar as mãos e explique que o hábito ajuda a impedir o contágio do Coronavírus e outros germes. Seja um bom exemplo e lave as mãos com frequência.

 

Fontes:

Testemunhos

Gostaríamos de agradecer ao Dr Pierry Louys Batista, em nome de todos os pediatras, toda equipe assistencial, de atendimento, segurança, higiene e do laboratório Delboni, pois percebemos que houve a verdadeira hospitalidade que todos falam, mas poucos exercem: a de fora dos livros.

Gustavo Ambrósio Tenório

Equipe de enfermagem muito bem preparada, atenta e disponível para qualquer chamado. Muito educada e cordial também, por exemplo, sempre ao entrar no quarto os enfermeiros avisavam meu pai que a luz seria acesa, não acendendo diretamente na “cara” da pessoa, que estava despreparada.

Antônio Rafael de Carvalho
banner