Obesidade infantil pode ter aumentado desde o início da pandemia de Covid-19

As taxas de obesidade infantil, que já vinham aumentando em todo o mundo – ao ponto de a Organização Mundial da Saúde prever que ela afetará 250 milhões de crianças até 2030 -, podem ter crescido mais rapidamente desde o início da pandemia de Covid-19. Um relatório do Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA (CDC) mostra que, de março a novembro de 2020, nos oito meses iniciais da pandemia, o índice de massa corporal (IMC) quase dobrou entre os norte-americanos que foram pesquisados.

O relatório analisou os dados de mais de 400 mil pessoas com idades de 2 até 19 anos. Foi comparada a taxa de variação do IMC delas antes da pandemia, do período de 1º de janeiro de 2018 a 9 de fevereiro de 2020, com a taxa de variação que houve durante os oito meses iniciais da pandemia, de 1º de março a 30 de novembro de 2020. O resultado serve como alerta para os outros países, inclusive o Brasil, pois além de o IMC no geral ter quase dobrado, os maiores aumentos foram nas pessoas com sobrepeso ou obesidade pré-pandemia e crianças em idade escolar.

O que torna ainda mais importante as campanhas de conscientização, como a que acontece anualmente em 11 de outubro no País, que é o Dia Nacional de Prevenção da Obesidade. Especialmente em relação às crianças e adolescentes. Isso porque 12,9% das crianças na faixa de cinco a nove anos tinham obesidade antes da pandemia de Covid-19. Assim como 7% dos adolescentes de 12 aos 17 anos, segundo dados do Ministério da Saúde e da Organização Pan-Americana da Saúde.

  • A prevalência da obesidade infanto-juvenil no Brasil teve um aumento de 240% nas duas últimas décadas.

Obesidade infantil aumenta o risco de problemas de saúde no futuro

A obesidade infantil pode levar à estigmatização e aumenta as chances de a criança e o adolescente sofrer bullying e ter problemas tanto de saúde física quanto de saúde mental, por exemplo:

  • Diabetes tipo 2;
  • Doenças cardiovasculares;
  • Colesterol alto;
  • Problemas respiratórios;
  • Problemas ortopédicos;
  • Baixa autoestima;
  • Ansiedade;
  • Depressão;
  • Distúrbios alimentares.

Além disso, quem tem obesidade infantil possui 40% de chance de também ter na fase adulta. Esse risco é ainda maior nos adolescentes que têm obesidade: há 70% de probabilidade de eles serem adultos com obesidade. Sem contar que há um risco maior de desenvolver doenças cardiovasculares, alguns tipos de câncer e outros problemas de saúde.

Como prevenir a obesidade infantil

A obesidade pode ter várias causas: hábitos alimentares, comportamento sedentário, problemas emocionais e genética. Inclusive, filhos de mãe ou pai com obesidade têm 80% de chance de também ter obesidade. Mas, hábitos saudáveis ajudam a prevenir a obesidade infantil e também combatê-la, pois os fatores que mais contribuem para o ganho de peso são alimentar-se de forma pouco saudável e não fazer exercícios físicos.

Atividade física – é qualquer atividade que movimente o corpo de forma intencional, seja para o lazer, tarefas domésticas etc. É importante que as crianças e adolescentes diminuam o tempo de tela, ou seja, o tempo que passam no computador, celular e TV. Assistir televisão durante uma a três por dia, por exemplo, aumenta o risco de obesidade infantil de 10% a 27%. Mas, não adianta diminuir o tempo de tela e continuar parado, é o comportamento que precisa mudar, por exemplo:

  • Adotar brincadeiras em que é necessário se movimentar;
  • Andar de bicicleta, skate, jogar bola;
  • Ajudar nas tarefas domésticas;
  • Caminhar para ir a algum lugar ao invés de ir de carro.

Exercícios físicos – são atividades planejadas e executadas sistematicamente para manter ou melhorar a estrutura muscular, a flexibilidade e o equilíbrio. Geralmente, são orientadas por um profissional de educação física. Pode-se dizer que é um tipo de atividade física, embora uma atividade física não seja um exercício físico. Veja alguns exemplos de exercícios físicos de diferentes intensidades:

  • Intensidade moderada – caminhar rápido, andar de bicicleta em ritmo normal;
  • Intensidade vigorosa – correr, pular corda rápido.

Alimentação – por mais cômodo e saboroso que seja, por exemplo, um fast food e pacotes de salgadinhos e doces, a base da alimentação de crianças e adolescentes deve ser de alimentos in natura ou minimamente processados. É importante comer diferentes frutas, legumes e verduras, bem como alimentos assados e grelhados ao invés de fritos e tomar água, ao invés de bebidas industrializadas e açucaradas. Aliás, deve-se ingerir pouca gordura e açúcar. O comportamento relacionado à alimentação também é importante:

  • Não use comida para negociar ou recompensar algum tipo de comportamento;
  • Não force a criança ou o adolescente a comer mais se ele mostrar que está satisfeito;
  • Estabeleça horários fixos para as refeições;
  • Faça as refeições à mesa, sem interferências externas, como TV e celular.

Como a obesidade é uma doença multifatorial, é importante que ela seja tratada por uma equipe de profissionais de várias especialidades. Dessa forma, é possível ter avaliação endocrinológica, psiquiátrica e psicológica, além de orientação nutricional para reeducação alimentar e também de um educador físico ou fisioterapeuta.

Este texto foi validado pela Dra. Andressa Castanha da Câmara (CRM 177302), Endocrinologista Pediátrica que faz atendimento na Clínica e Diagnósticos Leforte Morumbi.

 

 

Agende consulta com um pediatra

 

Conteúdos relacionados no site do Grupo Leforte

Como a obesidade infantil pode afetar a saúde
O papel da nutrição vai muito além da dieta
Variante delta do Coronavírus pode levar a aumento de doenças cardiovasculares entre pacientes infectados

Este conteúdo é meramente informativo e educativo, sendo destinado para o público em geral. Ele não substitui a consulta e o aconselhamento com o médico e não deve ser utilizado para autodiagnóstico ou automedicação. Se você tiver algum problema de saúde ou dúvidas a respeito, consulte um médico. Somente ele está habilitado fazer o diagnóstico, a prescrever o tratamento mais adequado para cada caso e acompanhar a evolução do quadro de saúde do paciente.
Testemunhos

Gostaríamos de agradecer ao Dr Pierry Louys Batista, em nome de todos os pediatras, toda equipe assistencial, de atendimento, segurança, higiene e do laboratório Delboni, pois percebemos que houve a verdadeira hospitalidade que todos falam, mas poucos exercem: a de fora dos livros.

Gustavo Ambrósio Tenório

Equipe de enfermagem muito bem preparada, atenta e disponível para qualquer chamado. Muito educada e cordial também, por exemplo, sempre ao entrar no quarto os enfermeiros avisavam meu pai que a luz seria acesa, não acendendo diretamente na “cara” da pessoa, que estava despreparada.

Antônio Rafael de Carvalho
banner