O que é colesterol alto?

O colesterol alto (hipercolesterolemia) ocorre quando nosso corpo produz gordura em excesso, o que aumenta o risco de doenças cardiovasculares, como infarto e acidente vascular cerebral (AVC). Isso acontece porque ele contribui para a formação de placas de gorduras na parede das artérias. Essas placas dificultam o fluxo sanguíneo e podem até mesmo obstruir essa passagem. Embora o excesso dele seja perigoso, o colesterol é essencial para o bom funcionamento do organismo.

 

Quais são as causas do colesterol alto?

Fatores genéticos – cerca de 70% do colesterol do nosso corpo é sintetizado pelo fígado, mas fatores genéticos podem levar o órgão a produzir ainda mais colesterol ou impedir que o LDL, um tipo ruim de colesterol, seja eliminado do sangue com eficiência.

Alimentação – cerca de 30% do colesterol vem da comida, mas essa taxa pode aumentar ao consumir alimentos com quantidades elevadas de gorduras saturadas e gorduras trans.

 

Quais os fatores de risco para o colesterol alto?

  • Fatores que podem causar colesterol alto – genética e alimentação também são fatores que aumentam o risco;
  • Histórico familiar – pessoas com casos de colesterol alto na família tem um risco maior;
  • Idade e sexo – o risco de ter colesterol alto aumenta com a idade, principalmente em mulheres após a menopausa;
  • Obesidade – pessoas obesas têm uma propensão maior para colesterol alto;
  • Sedentarismo – o exercício regular aumenta o nível de HDL, um tipo bom de colesterol bom e faz com que o LDL, o mau colesterol, seja menos prejudicial;
  • Bebidas alcoólicas – o consumo excessivo de bebidas alcóolicas colabora para o colesterol alto, além de aumentar o risco para diversas doenças.
  • Fumo – danifica a parede dos vasos sanguíneos, o que favorece o acúmulo de gordura, além de diminuir o nível do HDL, que é o colesterol bom;
  • Hipotireoidismo – transtorno na tireoide responsável pela queda na produção dos hormônios (triiodotironina e tiroxina), que favorece o colesterol alto;
  • Diabetes – maior propensão a uma taxa alta de triglicerídeos, o que diminui o HDL, o colesterol bom;
  • Doenças renais ou do fígado – prejudicam o metabolismo das gorduras no organismo, o que contribui para ter colesterol alto;
  • Medicamentos – alguns medicamentos podem aumentar o colesterol.

 

Quais os sinais e sintomas do colesterol alto?

Normalmente, o colesterol alto não provoca sinais e sintomas, ou seja, é assintomático. Ele é diagnosticado por meio de exames solicitados pelo médico. Mas em alguns casos há sinais, embora eles sejam raros:

  • Xantomas – bolhas amareladas em articulações ou tendões;
  • Xantelasmas – são pontos amarelos de gordura que aparecem ao redor dos olhos.

Atenção: quando o nível de colesterol está muito elevado, pode provocar aumento no fígado, no baço e sintomas de pancreatite.

 

Quais os tratamentos para o colesterol alto?

O tratamento do colesterol alto pode ser feito com diferentes tipos de medicamentos indicados pelo médico. Mas também pode ser necessário adotar hábitos saudáveis, tais como:

Exercícios físicos – praticar regularmente após o médico avaliar se existe algum tipo de impedimento e indicar os mais adequados para cada um em função das condições de saúde da pessoa.

Alimentação – comer regularmente frutas, verduras, legumes e cereais. Se comer carne, escolher as magras e preparar os alimentos cozidos ou assados, evitando fritar. Evitar alimentos gordurosos, carne vermelha e alimentos ultraprocessados, que são os que tem adição de conservantes químicos sintéticos, como comidas instantâneas, congeladas, misturas e molhos prontos, salgadinhos e biscoitos.

Além disso, é importante não fumar e reduzir o consumo de bebidas alcoólicas em excesso, pois além de aumentar o risco de colesterol alto, também aumentam a chance da pessoa desenvolver vários outros problemas de saúde.

 

Como é feito o diagnóstico do colesterol alto?

O diagnóstico do colesterol alto é feito pelo médico após avaliar os resultados de exames de sangue da pessoa, que apresentam a soma do bom colesterol (HDL) com o mau colesterol (LDL), ou seja, o colesterol total. Bem como os valores de cada tipo de colesterol.

É considerada uma boa taxa de colesterol total quando o valor está abaixo de 200mg/dl (miligrama de colesterol total por decilitro de sangue). Quanto ao LDL, o melhor é que esteja abaixo de 100mg/dl. Se as taxas estiverem acima do desejado, o médico deve fazer o monitoramento periódico da pessoa.

 

Como prevenir o colesterol alto?

Manter hábitos saudáveis – praticar regularmente exercícios físicos, ter uma alimentação balanceada e variada, dando preferência para os alimentos sem processamento ou para alimentos minimamente processados, que são os que não receberam adição de alguma substância conservante. Além de não fumar e reduzir o consumo de bebidas alcoólicas.

Fazer acompanhamento de saúde – ir ao médico e realizar exames de sangue regularmente também são formas de prevenção, pois permitem o diagnóstico precoce do colesterol alto.

Somente um médico pode diagnosticar um problema de saúde e indicar o melhor tratamento para cada caso. Nunca tome medicamentos por conta própria, mesmo que tenham sido recomendados por alguém com problema que você ache parecido. Eles podem disfarçar os sinais e sintomas do colesterol alto dificultando o diagnóstico e até agravar o problema de saúde e criar novos.

Conteúdo produzido com apoio do Dr. Rogerio Krakauer, coordenador do Serviço de Cardiologia do Hospital Christóvão da Gama, do Grupo Leforte.

 

Agende consulta com especialista em endocrinologista

 

Newsletter

Cadastre seu e-mail e fique por dentro do que acontece no Leforte

Testemunhos

Gostaríamos de agradecer ao Dr Pierry Louys Batista, em nome de todos os pediatras, toda equipe assistencial, de atendimento, segurança, higiene e do laboratório Delboni, pois percebemos que houve a verdadeira hospitalidade que todos falam, mas poucos exercem: a de fora dos livros.

Gustavo Ambrósio Tenório

Equipe de enfermagem muito bem preparada, atenta e disponível para qualquer chamado. Muito educada e cordial também, por exemplo, sempre ao entrar no quarto os enfermeiros avisavam meu pai que a luz seria acesa, não acendendo diretamente na “cara” da pessoa, que estava despreparada.

Antônio Rafael de Carvalho
banner