Qual é o papel da hemodiálise em pacientes com Covid-19?

Doença renal é coisa séria. Uma dorzinha ignorada na região dos rins, ao longo do tempo, pode se transformar em uma complicação grave, capaz de levar o paciente a sessões de hemodiálise, que é a filtragem do sangue por meio artificial, quando o rim deixa de funcionar adequadamente.

O responsável pelo Serviço de Nefrologia e Responsável pela Equipe de Transplante Renal do Grupo Leforte, Dr. Paulo Luconi, sempre recomenda “abolir o tabagismo, além da prática de exercícios físicos, dieta saudável e controle de peso, como fatores fundamentais para ajudar a evitar esse quadro”.

Porém, em pacientes de Covid-19 e insuficiência respiratória, que necessitam de ventilação mecânica, essa situação é ainda mais grave. “Neste período de pandemia, onde praticamente só havia pacientes com Covid-19 internados na UTI, dobramos o número de procedimentos de diálise em relação aos anos anteriores, quando não havia essa doença, mostrando a gravidade desta patologia”, afirma o Dr. Paulo.

A hemodiálise ambulatorial é realizada como rotina, em média três vezes por semana, nos pacientes com Doença Renal Crônica Terminal. Nos indivíduos com Covid-19, no entanto, que apresentam Injúria Renal Aguda (IRA), o procedimento ocorre em UTI e passa a ser muito mais complexo e de alto risco, para manter a estabilidade do paciente em um momento em que a função renal está muito comprometida.

“Por esse motivo, são utilizados equipamentos e insumos muito mais sofisticados. Em razão da maneira como realizamos esse procedimento as possíveis complicações são poucas, como por exemplo, queda da pressão arterial e sangramentos, muito raras no nosso caso, devido à técnica, equipamentos e insumos que usamos”, destaca.

O Grupo Leforte conta com uma estrutura de excelência e de ponta, sob o comando do Dr. Paulo Luconi, com uma equipe com 7 nefrologistas, 8 técnicos de enfermagem e 2 enfermeiras, todos com títulos de especialistas da Sociedade Brasileira de Nefrologia e da Sociedade Brasileira de Enfermagem em Nefrologia.

A equipe atua na unidade Liberdade do Grupo Leforte 24 horas por dia, nos 7 dias da semana. “Além disso, dispomos dos mais modernos equipamentos e insumos para o procedimento dialítico, para qualquer tipo de pacientes ou patologias, inclusive crianças, mantendo alto grau de qualidade no atendimento e transformando a instituição num dos mais conceituados hospitais no tratamento dos pacientes com Injúria Renal Aguda (IRA)”, finaliza do especialista do Grupo Leforte.

 

Dr. Paulo Sergio Luconi possui mestrado em Medicina (Nefrologia) pela Universidade Federal de São Paulo (1989). Entre os anos de 2002 e 2016 ocupou vários cargos de diretoria na ABCDT (Associação Brasileira de Centros de Diálise e Transplante), entre eles de Diretor Técnico, Vice-Presidente e Presidente, através de eleição. Para consultas e atendimento, entre em contato pelo telefone (11) 3345-2288.

 

 

Agende sua consulta com um especialista em nefrologia

 

Conheça os Centros de referência em nefrologia do Grupo Leforte

Conteúdos Relacionados

O que é câncer de rim? 
Doenças renais podem ser causadas por outros problemas crônicos de saúde 
Covid gera sequelas silenciosas que atingem principalmente pulmões, coração e rins 

Este conteúdo é meramente informativo e educativo, sendo destinado para o público em geral. Ele não substitui a consulta e o aconselhamento com o médico e não deve ser utilizado para autodiagnóstico ou automedicação. Se você tiver algum problema de saúde ou dúvidas a respeito, consulte um médico. Somente ele está habilitado fazer o diagnóstico, a prescrever o tratamento mais adequado para cada caso e acompanhar a evolução do quadro de saúde do paciente.
Testemunhos

Gostaríamos de agradecer ao Dr Pierry Louys Batista, em nome de todos os pediatras, toda equipe assistencial, de atendimento, segurança, higiene e do laboratório Delboni, pois percebemos que houve a verdadeira hospitalidade que todos falam, mas poucos exercem: a de fora dos livros.

Gustavo Ambrósio Tenório

Equipe de enfermagem muito bem preparada, atenta e disponível para qualquer chamado. Muito educada e cordial também, por exemplo, sempre ao entrar no quarto os enfermeiros avisavam meu pai que a luz seria acesa, não acendendo diretamente na “cara” da pessoa, que estava despreparada.

Antônio Rafael de Carvalho
banner