O dia de quem faz o hospital

Os desafios em relação à pandemia da Covid-19 continuam, mas considero importante fazer uma reflexão sobre o Dia do Hospital, celebrado nesta sexta-feira.

Ainda passamos por um período de grande transformação em nossas vidas, com um desejo enorme por uma retomada efetiva. Mas algumas coisas precisam ser pontuadas e comemoradas.

A primeira delas, sem dúvida, é o quanto as equipes de assistência permanecem fortes e resilientes, mesmo sabendo que ainda temos muitas batalhas pela frente. Somo aqui, é claro, as áreas administrativas, que permitem que essa engrenagem permaneça funcionando. Coragem, amor e compromisso com a profissão talvez ajudem a explicar esse empenho sobre-humano que já dura muito mais de um ano.

Outro aspecto relevante é o sucesso da vacinação, que está comprovado pelos números de queda de mortes, internações e pela redução da fila de espera por leitos de internação e UTI em hospitais de todo o Brasil. Cada vez mais, precisamos acelerar e avançar na imunização, que tem a participação fundamental das equipes e instituições de saúde, públicas e privadas.

Por fim, não posso deixar de mencionar o trabalho dos pesquisadores, onde incluo o Centro de Estudos do Grupo Leforte, na busca por tratamentos capazes de curar ou amenizar o sofrimento dos pacientes acometidos pelo coronavírus. Novas abordagens surgem a cada dia e, apesar dos milhares de mortos ainda contabilizados, precisamos lembrar que um número muito maior de pessoas sobrevive todos os dias em razão desses avanços.

Tudo isso, para ficarmos apenas no tema Covid-19, ocorre dentro de milhares de hospitais espalhados pelo Brasil. É fruto do trabalho e do empenho de pessoas, entre elas os 4 mil colaboradores do Leforte, que tenho o orgulho de liderar nos últimos nove anos, no cargo de CEO.

A esses profissionais, é preciso um agradecimento e uma homenagem especial. A eles devemos a celebração desse Dia do Hospital.

Este conteúdo é meramente informativo e educativo, sendo destinado para o público em geral. Ele não substitui a consulta e o aconselhamento com o médico e não deve ser utilizado para autodiagnóstico ou automedicação. Se você tiver algum problema de saúde ou dúvidas a respeito, consulte um médico. Somente ele está habilitado fazer o diagnóstico, a prescrever o tratamento mais adequado para cada caso e acompanhar a evolução do quadro de saúde do paciente.
Testemunhos

Gostaríamos de agradecer ao Dr Pierry Louys Batista, em nome de todos os pediatras, toda equipe assistencial, de atendimento, segurança, higiene e do laboratório Delboni, pois percebemos que houve a verdadeira hospitalidade que todos falam, mas poucos exercem: a de fora dos livros.

Gustavo Ambrósio Tenório

Equipe de enfermagem muito bem preparada, atenta e disponível para qualquer chamado. Muito educada e cordial também, por exemplo, sempre ao entrar no quarto os enfermeiros avisavam meu pai que a luz seria acesa, não acendendo diretamente na “cara” da pessoa, que estava despreparada.

Antônio Rafael de Carvalho