Uma boa saúde bucal ajuda a prevenir e evitar o agravamento de vários problemas

Uma boa higiene bucal diminui o risco de processos inflamatórios e infecciosos crônicos, que podem agravar ou provocar algumas doenças, como a endocardite bacteriana, que é a inflamação da membrana que reveste a parede interna do coração e as válvulas cardíacas. Para falar sobre a importância da saúde bucal, o Grupo Leforte convidou o Prof. Dr. Raphael Capelli Guerra, que é cirurgião bucomaxilofacial e chefe de equipe de cirurgia bucomaxilofacial do Grupo.

SAÚDE BUCAL – quais são os problemas que a má higiene bucal pode causar na própria cavidade bucal?

PROF. DR. RAPHAEL CAPELLI GUERRA – doenças periodontais, que são os tecidos de sustentação dos dentes, perda óssea local, gengivite, mau hálito, tártaro, cárie e, consequentemente, a perda dos dentes. Além de ser a porta de entrada para infecções sistêmicas.

 

SAÚDE BUCAL – qual é a relação entre a saúde bucal e a saúde geral?

PROF. DR. RAPHAEL CAPELLI GUERRA – a saúde começa pela boca. Uma saúde bucal deficiente mantém ativos processos inflamatórios e infecciosos crônicos, que podem acarretar o agravo ou início de algumas doenças através da disseminação de bactérias e ou mediadores químicos como resposta inflamatória no corpo.

 

SAÚDE BUCAL – qual a relação entre saúde bucal e problemas cardíacos?

PROF. DR. RAPHAEL CAPELLI GUERRA – a gengivite, a periodontite e os procedimentos sem profilaxia antibiótica (quando indicada para o perfil clínico do paciente) permitem que as bactérias da boca caiam na corrente sanguínea. Quando elas alcançam o coração, podem colonizar válvulas lesionadas e provocar doenças. Entre elas, a endocardite bacteriana com maior frequência. Além do risco de endocardite, as inflamações presentes na boca podem aumentar os níveis da proteína C-reativa, que está associada com acidentes cardiovasculares.

 

SAÚDE BUCAL – como as doenças periodontais podem interferir no diabetes?

PROF. DR. RAPHAEL CAPELLI GUERRA – doença periodontal é uma infecção crônica que acomete as estruturas de suporte do dente e pode culminar na perda dentária, se não for tratada. A doença periodontal é altamente prevalente nos indivíduos diabéticos. Nesses indivíduos, o controle deficiente do biofilme dental pode favorecer a instalação da doença periodontal com maior severidade e velocidade de progressão do que aquela observada em indivíduos não diabéticos. Em pacientes diabéticos não diagnosticados ou mal controlados, pode-se observar o aparecimento de diversos abcessos periodontais, levando à destruição rápida do suporte ósseo ao redor dos dentes, o que pode interferir na futura manutenção deles.

 

SAÚDE BUCAL – Covid-19 também tem relação com saúde bucal?

PROF. DR. RAPHAEL CAPELLI GUERRA – sim, as infeções oportunistas, principalmente em paciente imunossuprimidos, aumentaram muito com o uso excessivo de corticoide para tratamento de COVID, sobretudo as infecções fúngicas, como a mucormicose (chamada popularmente de doença do fungo negro). Meu grupo teve a oportunidade de tratar um caso dessa infecção no Grupo Leforte e publicá-lo em uma revista internacional de impacto, a Oral Surgery, em maio de 2021.

 

SAÚDE BUCAL – quais são as medidas necessárias para manter a saúde bucal em dia?

PROF. DR. RAPHAEL CAPELLI GUERRA – uma escovação adequada após as refeições com auxílio também de enxaguantes bucais, uso diários de fio dental e visitas periódicas ao cirurgião dentista.

 

SAÚDE BUCAL – a alimentação também tem um papel na prevenção de doenças bucais?

PROF. DR. RAPHAEL CAPELLI GUERRA – sim, com certeza. Uma dieta equilibrada com baixo índice de açúcares diminui muito a possibilidade de cáries e problemas periodontais.

 

SAÚDE BUCAL – quais são os principais erros que as pessoas cometem em relação à higiene bucal?

PROF. DR. RAPHAEL CAPELLI GUERRA – A falta de higiene oral adequada, falta do uso de fio dental e ausência de visitas periódicas ao cirurgião dentista.

 

SAÚDE BUCAL – quais são os sintomas de que algo não vai bem na cavidade bucal?

PROF. DR. RAPHAEL CAPELLI GUERRA – Mau hálito, dor, sangramento gengival e lesões bucais são os principais sinais e sintomas.

 

 

O Prof. Dr. Raphael Capelli Guerra é Mestre em cirurgia de cabeça e pescoço pelo A.C.Camargo Cancer Center, Doutor em cirurgia e traumatologia bucomaxilofacial pela Faculdade de Odontologia de Araraquara (FOAr UNESP) e professor adjunto de cirurgia da Universidade Metodista de São Paulo. Também é Fellowship AOCMF na Universidades de Basel (Suíça), Fellowship IBRA na Universidade de Frankfurt (Alemanha), Fellowship na Louisiana State University Health Shreverport (EUA) e membro titular do Colégio Brasileiro de Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial.

Além disso, o Prof. Dr. Raphael é chefe de equipe de cirurgia bucomaxilofacial do Grupo Leforte e atende pacientes nas unidades Clínica e Diagnósticos Leforte Liberdade, nas terças-feiras e sábados de manhã; Clínica e Diagnósticos Christóvão da Gama nas sextas-feiras de manhã; e Clínica e Diagnósticos Morumbi nas sextas-feiras, no final da tarde.

Agende consulta com um cirurgião bucomaxilofacial

 

Conteúdos relacionados no site do Grupo Leforte

Obesidade infantil pode ter aumentado desde o início da pandemia de Covid-19
Saiba o que é hemodinâmica e a importância dela para exames e procedimentos cardiológicos
Sequelas causadas pelo estresse requerem tratamento especializado

Este conteúdo é meramente informativo e educativo, sendo destinado para o público em geral. Ele não substitui a consulta e o aconselhamento com o médico e não deve ser utilizado para autodiagnóstico ou automedicação. Se você tiver algum problema de saúde ou dúvidas a respeito, consulte um médico. Somente ele está habilitado fazer o diagnóstico, a prescrever o tratamento mais adequado para cada caso e acompanhar a evolução do quadro de saúde do paciente.
Testemunhos

Gostaríamos de agradecer ao Dr Pierry Louys Batista, em nome de todos os pediatras, toda equipe assistencial, de atendimento, segurança, higiene e do laboratório Delboni, pois percebemos que houve a verdadeira hospitalidade que todos falam, mas poucos exercem: a de fora dos livros.

Gustavo Ambrósio Tenório

Equipe de enfermagem muito bem preparada, atenta e disponível para qualquer chamado. Muito educada e cordial também, por exemplo, sempre ao entrar no quarto os enfermeiros avisavam meu pai que a luz seria acesa, não acendendo diretamente na “cara” da pessoa, que estava despreparada.

Antônio Rafael de Carvalho
banner