Grupo Leforte bate recorde de transplantes de pâncreas mesmo durante a pandemia

O Centro de Transplantes do Grupo Leforte, mesmo com as adversidades deste período de pandemia, bateu o seu próprio recorde de transplantes de pâncreas, com a marca de 82 procedimentos realizados entre janeiro e novembro de 2020. Antes de encerrar o ano, o número já é superior aos 77 transplantes de 2019, quando a instituição figurou na liderança mundial desse tipo de cirurgia. Em todo o país, no primeiro semestre de 2020, de acordo com o balanço divulgado pela Associação Brasileira de Transplante de Órgãos (ABTO), o número de transplantes de pâncreas sofreu queda de quase 7%.

Dr. Marcelo Perosa, coordenador do programa de transplantes de pâncreas e rim do Grupo Leforte comenta “Poucos centros de transplantes de pâncreas no mundo realizam mais do que 50 procedimentos anuais. Por isso, é possível dizer que fecharemos 2020 como o centro mais ativo nesse tipo de procedimento pelo terceiro ano consecutivo”, afirma.

O desempenho do Grupo Leforte se deve ao cuidado ativo da equipe mesmo na fase de isolamento social, com a implantação de teleconsulta e manutenção dos atendimentos ambulatoriais. Além disso, a captação de órgãos, com a organização de uma logística complexa, abrangendo todo o País, foi fundamental para o crescimento.

 

Protocolo de segurança durante a pandemia

Outro ponto importante para garantir a segurança dos pacientes e das equipes foi a implantação de fluxos, UTI e enfermaria com equipes separadas, para evitar o contágio pela Covid-19. “Como a sorologia para Covid-19 é demorada e o órgão retirado não pode esperar, passamos a submeter todo paciente a uma tomografia de tórax, para identificação de suspeitas de contágio pelo novo coronavírus, mesmo quando assintomáticos. Isso agilizou os procedimentos”, conclui o Dr. Perosa.

 

Principais indicações dos transplantes de pâncreas

A substituição de um órgão é necessária quando ele não é mais capaz de realizar as funções básicas, comprometendo o organismo como um todo. Isso se dá por diversas causas, como doenças crônicas, por exemplo.

O transplante de pâncreas é indicado para pacientes com diabéticos tipo 1, que apresentam complicações avançadas da doença. Em alguns casos, o paciente precisa receber mais de um órgão. Como, por exemplo, um paciente com alguma doença crônica do fígado que também possui insuficiência renal e está em diálise. Segundo o Dr. Marcelo, a modalidade de transplante de pâncreas mais realizada no Hospital Leforte é a de pâncreas-rim, simultaneamente. “É comum que o paciente diabético tipo 1 avançado tenha falência renal, então, além do pâncreas, ele recebe também o rim para tirá-lo da diálise”.

 

Doutor Marcelo Perosa do Grupo Leforte

Dr. Marcelo Perosa – Cirurgião, especialista em transplantes de pâncreas e rim e coordenador do Centro de Transplantes do Hospital Leforte Liberdade
Consultório: Rua Barão de Iguape, 209 – 4º andar – Bloco C
Horários de atendimentos:
Segunda: das 13h30 às 17h
Quarta: das 15h às 17h
Quinta: das 9h às 12h e das 13h às 16h
Sexta: das 13h às 16h
Telefone de agendamento: (11) 3541-1269/1698 ou ainda (11) 3284-9551

 

Veja notícias e conteúdos relacionados ao Grupo Leforte

https://leforte.com.br/saude-em-movimento/so-quem-precisa-de-um-orgao-que-sabe/

https://leforte.com.br/centros-de-tratamento/centro-de-transplante/

https://leforte.com.br/blog/referencia-em-transplantes-no-brasil-e-no-mundo-grupo-leforte-aumenta-em-28-os-transplantes-de-orgaos-em-plena-pandemia/

Este conteúdo é meramente informativo e educativo, sendo destinado para o público em geral. Ele não substitui a consulta e o aconselhamento com o médico e não deve ser utilizado para autodiagnóstico ou automedicação. Se você tiver algum problema de saúde ou dúvidas a respeito, consulte um médico. Somente ele está habilitado fazer o diagnóstico, a prescrever o tratamento mais adequado para cada caso e acompanhar a evolução do quadro de saúde do paciente.
Testemunhos

Gostaríamos de agradecer ao Dr Pierry Louys Batista, em nome de todos os pediatras, toda equipe assistencial, de atendimento, segurança, higiene e do laboratório Delboni, pois percebemos que houve a verdadeira hospitalidade que todos falam, mas poucos exercem: a de fora dos livros.

Gustavo Ambrósio Tenório

Equipe de enfermagem muito bem preparada, atenta e disponível para qualquer chamado. Muito educada e cordial também, por exemplo, sempre ao entrar no quarto os enfermeiros avisavam meu pai que a luz seria acesa, não acendendo diretamente na “cara” da pessoa, que estava despreparada.

Antônio Rafael de Carvalho
banner